Entrega do IRPF

leão

Entrega do IRPF

afinal, o que mudou para 2021?

Chegou a hora de acertar as contas com o Leão!

Para esclarecer as principais mudanças, organizamos os pontos de mudança para 2021:

1 – Em primeiro lugar: o prazo de entrega

O prazo de entrega seguirá o que tínhamos em 2019, ano anterior a pandemia. Assim entre os dias 01 de Março e 30 de Abril você poderá enviar sua declaração.

Cuidado com o prazo! Quem atrasar terá que pagar uma multa de 1% sobre o imposto devido, com valor mínimo de R$ 165,74 e máximo de 20% do imposto devido.

2 – Em segundo lugar: declaração com certificado digital

Novidade em 2020, essa facilidade vem com um upgrade em 2021: a Receita vai retirar essa obrigatoriedade (certificado digital) a partir do dia 25 de março e ampliar o escopo de contribuintes que poderão se beneficiar da automação do preenchimento de suas declarações. 

Você também vai poupar tempo com a inserção de dados básicos, que já estão na suas declarações anteriores.

Quer mais novidade? O programa de 2021 também vai trazer os rendimentos tributáveis que vieram de outras fontes relacionadas ao contribuinte.

Isso vai facilitar a verificação dos valores, evitando erros na declaração.

3 – Além disso: temos as Criptomoedas

A Receita Federal criou três categorias para designação de moedas e outros bens digitais.

O investidor deve fazer a declaração de sua carteira na ficha “Bens e Direitos”. Lá, deve escolher entre “82 – Criptoativo Bitcoin”, “82 – Outros criptoativos, do tipo moeda digital” ou “89 – Demais criptoativos”.

4 – Conta bancária para restituição

Outra boa novidade é a possibilidade de indicação de contas digitais, as chamadas fintechs e bancos digitais para o recebimento da sua restituição.

Essas informações bancárias, você encontra no item “Tipo de conta”, usar a nova opção “Conta pagamento”. Em seguida, basta informar dados básicos, como agência e conta para crédito e aguardar o momento de saldo.

5 – Auxílio Emergencial

O Auxílio Emergencial foi considerado tributável pela Receita Federal e deve ser declarado caso o contribuinte precise fazer o preenchimento do IRPF.

Da mesma forma, para ser considerado isento, os rendimentos tributáveis devem ter ficado abaixo do teto dos R$ 22.847,76.

Ou seja, o auxílio deve ser declarado, bem como deverá ser devolvido ao fisco, por ele e seus dependentes, caso os rendimentos estejam acima do teto.

professora com braços cruzados, segurando óculos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *